Palavrões são sempre pornográficos!

Palavrões são sempre pornográficos!

Uma das principais formas de iniciação de crianças e adolescentes em temas da pornografia ocorre pelo uso ou exposição a ‘palavrões’, consideradas assim as expressões ou palavras de conteúdo obsceno ou grosseiro, conforme definição do Dicionário Aurélio de Português.

Pense por um instante em um palavrão que você conhece. É claro que não irei mencionar nenhum aqui, mas geralmente se referem a órgãos genitais, ânus, fezes ou práticas sexuais adultas. Isto significa uma abusiva exposição psicológica ao obsceno e à pornografia, seja quando ouvidos ou falados pela criança. A referência pornográfica é quase sempre expressa, mas também pode ser implícita ou gestual, mas igualmente inteligível por todos.

A impropriedade desta categoria de linguagem a crianças e adolescentes é consenso mundial na psicologia e na publicidade. A linguagem grosseira,  além de  erotizar e apresentar abusivamente o obsceno a crianças,  também é fator de empobrecimento da capacidade de exprimir ideias e sentimentos. Crianças e adolescentes expostos a palavrões terão uma diminuição ou corrupção na capacidade de expressão linguística.  Sendo a linguagem um instrumento fundamental para estabelecer valores, especialmente para pessoas em desenvolvimento, a exposição a palavrões representa situação degradante ao seu desenvolvimento psicológico e cognitivo, inclusive sexual. Importante considerar que uma das formas mais insidiosas de corrupção sexual de crianças são as conversas eróticas pelo telefone ou redes sociais, em que o abuso é auditivo ou visual, especialmente, com palavras pornográficas ou de duplo sentido.

Restringir palavrões no ensino e educação de crianças não é moralismo, mas respeito para com a dignidade humana especial das crianças, até porque dirigi-los a alguém constitui o crime de injúria (Código Penal, art. 139) ou se alguém,  inclusive professor ou familiar, expor criança ou adolescente a palavrões pode ser enquadrado no crime do art. 232 do Estatuto da Criança e do Adolescente que considera crime “submeter criança ou adolescente sob sua guarda ou vigilância, a humilhação ou constrangimento. A pena é de até 2 anos de prisão.

Não se trata de restringir a liberdade ou a manifestação de pensamento de ninguém, mas de respeitar crianças e adolescentes, pessoas em desenvolvimento e que também merecem respeito.

Imprimir Post

3 Comentários

  1. Bruna Griffo
    abril 27, 00:17 Resposta

    Como o Brasil seria diferente se realmente essas leis fossem praticadas. Fossem realmente cumpridas. Que Deus abençoe sua vida querido…. Muito bom receber suas informações. Aprendemos sempre.

  2. Uma iniciativa deste nível e de muita importância para uma sociedade conivente com princípios fora do foco.Que mais pessoas junte se a nós nesta tarefa que gerará uma geração restaurada, parabéns Excelência Deus te Guarde.

  3. muita gente desconhece seus direitos e deveres. eu sou formada em pedagogia e desconhecia esse artigo do ECA (232). falta de leitura e conhecimento… Jesus nos advertiu quando disse que o seu povo sofria por falta de conhecimento. por isso todo o Brasil está sofrendo. se pudermos advertir o máximo de pessoas possíveis, já contribuiremos para o beneficio de muita gente, inclusive o nosso próprio benefício em contra partida. parabéns Querido! E que Deus o abençoe para que possa alcançar o máximo de pessoas disposta a multiplicar essa benção…

Deixe seu Comentário